O Movimento Adventista de Reforma Adventista do Sétimo Dia ensina certas crenças fundamentais que, juntamente com referências das escrituras nas quais essas crenças se baseiam, são resumidas da seguinte forma:

DEUS, O PAI
Existe apenas um Deus, o Pai eterno, o Criador; um Ser pessoal, espiritual, infinito em amor e sabedoria, onipotente, onipresente, onisciente, imortal.
Jesus Cristo, o Filho

Jesus Cristo é o Filho de Deus, um na natureza com o Pai eterno. Através de Cristo todas as coisas foram criadas. Mantendo Sua natureza divina, Cristo tomou sobre Si a natureza humana, se fez carne e viveu na terra como homem, mas sem pecado, sendo um exemplo para nós. Ele morreu por nossos pecados na cruz, ressuscitou dos mortos e ascendeu ao Pai, onde vive para fazer intercessão por nós.

O Espírito Santo

O Espírito Santo é o representante de Cristo na terra e é um em propósito com o Pai e o Filho. Ele é o regenerador no trabalho de redenção. Essas três pessoas, Deus (o Pai), Jesus Cristo (o Filho) e o Espírito Santo são a Divindade.

AS ESCRITURAS

As Escrituras Sagradas, tanto o Antigo quanto o Novo Testamento, são a palavra de Deus. Eles foram dados por inspiração de Deus, contêm toda a revelação da vontade de Deus para o homem e são a única regra infalível de fé e prática.

OS DEZ MANDAMENTOS

A lei moral, com dez mandamentos de Êxodo 20: 1-17, é uma expressão da vontade de Deus, cobrando ou dever do homem para Deus e com seus semelhantes. A lei é imutável, vinculativa para todos os homens em todas as épocas e anula todas como leis humanas. A transgressão de qualquer mandamento é pecado, e o salário do pecado é a morte. Não somos salvos pela obediência à lei, mas por meio de Cristo, para que através da Sua força possa prestar obediência e escapar da condenação.

O SÁBADO

O quarto mandamento da lei moral de Deus requer a observância do sábado do sétimo dia. É um dia sagrado de descanso, um memorial da criação e um sinal de recriação e redenção, além de santificação. É uma instituição espiritual dedicada ao culto religioso e ao estudo. Gênesis 2: 1-3; Êxodo 20: 1-17; Ezequiel 20:12, 20; Isaías 58:13, 14; Marcos 2:28; Hebreus 4: 1-10. A verdadeira observância do sábado exige a interrupção de todo o trabalho secular no pôr do sol na sexta-feira até o pôr do sol no sábado. A preparação para o sábado deve ser concluída na sexta-feira antes do início do sábado. Levítico 23:32; Êxodo 16:22, 23; Lucas 23:54; Marcos 16: 1. Como Cristo e os apóstolos sempre, antes e depois da crucificação e ressurreição, observaram o sábado, é e continua sendo o verdadeiro dia de descanso. (Ananias e Paulo não poderiam ter sido inocentes diante dos judeus se não fossem fiéis observadores do sábado.)

CULTO DOMINICAL

O primeiro dia da semana, comumente chamado domingo, era antigamente dedicado à adoração ao sol. Quando a igreja cristã se afastou da verdadeira doutrina dos dias apostólicos, o sábado do sétimo dia foi gradualmente substituído no primeiro dia. O domingo, com outras instituições pagãs, foi finalmente adotado pela igreja cristã. A observância do domingo não é encontrada na Bíblia.

LEI CERIMONIAL

A lei cerimonial do Antigo Testamento prescrita ao povo judeu apontava para o Messias. Tipificou a obra de Cristo, e seus requisitos cessaram na cruz. A lei cerimonial, que inclui os sábados cerimoniais e os feriados judaicos, não deve ser confundida com a lei moral e o dia do sábado do quarto mandamento.

Graça e SEUS os meios

Graça significa “favor imerecido”. Por causa do pecado, a humanidade deve sofrer as conseqüências da morte. Deus manifesta Seu amor estendendo a salvação da morte através de Jesus Cristo para o homem pecador que não merece. A salvação é realizada quando os pecadores são atraídos para Cristo através de: (a) palavra de Deus, (b) Espírito Santo e (c) ministério do evangelho.

O NOVO NASCIMENTO

Para ser salvo do pecado e de suas conseqüências, o homem deve experimentar um novo nascimento, uma transformação da vida. Quando um indivíduo se arrepende de seus pecados e cede à obra do Espírito Santo em seu coração, ele experimenta um desejo de viver em obediência à vontade de Deus. A Bíblia chama essa experiência de “o novo nascimento”. A nova vida depois disso é mantida por nossa fé em Jesus Cristo.

BATISMO

Aqueles que atingiram uma era de responsabilidade e “nasceram de novo” devem ser batizados por imersão em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Isso representa a morte, enterro e ressurreição de Jesus Cristo, bem como a morte do “velho homem” e a ressurreição do “novo homem” para uma nova vida em Cristo.

A Ordenança da Humildade

A lavagem dos pés é uma ordenança de humildade que precede o serviço da comunhão. Foi instituído por Cristo e ordenado à igreja cristã para ensinar humildade, igualdade, amor fraterno e unidade em Cristo. A reconciliação entre irmãos deve preceder a ordenança.

A SAGRADA COMUNHÃO

Participando do pão sem fermento e do vinho não fermentado que representam o corpo e o sangue de Jesus Cristo, o crente comemora Seu sofrimento e morte. O significado desta ordenança implica que ela seja compartilhada apenas por membros em boa e regular posição no corpo de Cristo.

O JUÍZO INVESTIGATIVO

A profecia dos 2300 dias (anos, conforme Números 14:34 e Ezequiel 4: 6) de Daniel 8:14 terminou em 1844, quando começou a “limpeza do santuário” ou o julgamento investigativo. Isso se refere ao exame pré-advento dos registros celestes da vida dos professos filhos de Deus através dos tempos. O resultado desta investigação determina o destino de cada alma, para a vida eterna ou a morte eterna

Verdade Presente

As mensagens dos três anjos de Apocalipse 14: 6-12, juntamente com a mensagem do outro anjo de Apocalipse 18: 1-4, são a verdade presente. Essas mensagens são para preparar um grupo especial de pessoas, 144.000 em número, para a segunda vinda de Cristo.

O Dom de Profecia

De acordo com a promessa de Deus em Atos 2: 17-21, o dom de profecia foi restaurado na igreja de Cristo nestes últimos dias, não como um substituto ou um acréscimo à Bíblia, mas como um guia e um sinal de distinção para o povo remanescente de Deus. Os escritos inspirados voltam nossa atenção para os princípios da Bíblia como regra de fé e prática e ajudam a proteger-nos de interpretar mal a Palavra de Deus.

CASAMENTO

O casamento foi ordenado por Deus e honrado por Cristo para vincular o homem e a mulher por toda a vida. Nem o divórcio para fins de novo casamento, nem o casamento de direito comum, nem o casamento com os incrédulos estão dentro do princípio divino do casamento.

Saúde e Reforma do Vestuário

Como o corpo de um cristão é o templo do Espírito Santo, o crente desejará salvaguardar sua saúde seguindo a lei natural, descartando artigos destrutivos à saúde de alimentos e hábitos de vida não naturais, e sendo moderado no uso daquelas coisas que são boas. . 1 Coríntios 3:16, 17; Filipenses 4: 5. Hábitos de vestir são um índice do personagem. A modéstia cristã e o respeito próprio exigem que nos abstenhamos das modas extravagantes do mundo.

Nossa atitude em relação aos governos terrenos

O cristão é obrigado a respeitar a autoridade divina e humana. Ele obedece a todas as leis justas dos governos terrenos de boa consciência. Se os requisitos das leis humanas estão em conflito com a lei de Deus, o cristão deve decidir por si mesmo: Devo obedecer a Deus ou ao homem? Nossa consciência cristã nos proíbe de participar de atividades políticas.

O CORPO DE CRISTO, SUA IGREJA

A igreja de Cristo é um corpo visível e organizado, não indivíduos dispersos. A igreja delega uma parte de sua autoridade a oficiais eleitos, não para dominá-la sobre a igreja, mas para servir a igreja e edificar o corpo de Cristo. A igreja tem autoridade para aceitar membros pelo batismo e profissão de fé e desconectar membros por justa causa.

DÍZIMOS E OFERTAS

A entrega de dízimos e ofertas para o apoio do ministério e a pregação do Evangelho é um dever cristão.

SEGUNDA VINDA DE CRISTO

A provação humana termina pouco antes da segunda vinda de Cristo, que será literal, pessoal, visível, audível e universal.

A natureza do homem e o estado dos mortos

O homem foi criado pela mão de Deus como uma alma viva. Por desobediência, ele foi separado da fonte da vida. Portanto, ele é mortal por natureza; mas ele pode obter a imortalidade através de Cristo: na promessa, imediatamente; e na realidade em Sua segunda vinda. Gênesis 2: 7; 3: 22-24; Jó 4:17; 1 João 2:25; João 11:25, 26; Romanos 2: 7; 2 Timóteo 1:10; 1 Coríntios 15:53, 54. Na morte, seja ele bom ou mau, o homem entra em um “sono”, um estado de inconsciência, silêncio e inatividade. Os mortos permanecem na sepultura até a ressurreição dos justos e dos injustos. Os injustos não estão em um lugar de tormento, mas são “reservados para o dia do juízo para serem punidos”. E os justos não estão no céu, mas permanecem na sepultura até a ressurreição na vinda de Cristo.

O MILÉNIO

Após a segunda vinda de Cristo, haverá um período de mil anos, comumente chamado de milênio. Durante esse tempo, enquanto os justos estão no céu com Cristo, os iníquos permanecem no pó da terra desolada. Enquanto a terra estiver desolada, os justos julgarão os iníquos. No final do milênio, os ímpios ressuscitam para serem destruídos pelo fogo.

A NOVA TERRA

Após a limpeza da terra do pecado pelo fogo, Deus fará “todas as coisas novas”, restaurando a terra à sua beleza edênica. Essa nova terra se tornará o lar eterno dos remidos, com Deus reinando como supremo por todas as épocas incessantes da eternidade.