A conferência de mineápolis e as suas consequências

 

Como a grande reforma realizada por Lutero, Calvino, Zuínglio e outros no século XVI teve origem vários séculos antes (O Grande Conflito, p. 78), também o profetizado Movimento de Reforma entre os adventistas do sétimo dia, hoje existente, teve seu início embrionário em 1888, quando o Senhor enviou uma mensagem especial ao Seu povo.

Em Mineápolis, Minesota, de 17 de Outubro a 04 de Novembro de 1888, os adventistas do Sétimo Dia realizaram memorável e controversa assembleia da Conferência Geral. Noventa delegados (85 estavam presentes na abertura da assembleia e 5 chegaram em 26 de Outubro), representando um quadro mundial de 26.968 membros, reuniram-se num dos maiores templos adventistas da época – um prédio localizado na esquina de Lake Street com a Fourth Avenue South. O evento mais importante daquela assembleia foi a apresentação de um assunto vital – a mensagem da justificação pela fé – por dois jovens ministros: E. J. Waggoner e A. T. Jones, redatores da revista The Signs of the Times.

Em termos claros, o Espírito de Profecia colocou o seu selo de aprovação nessa mensagem. A irmã White escreveu sobre isso assim:

“O Senhor, em Sua grande misericórdia, enviou uma mensagem preciosa ao Seu povo através dos Élder Waggoner e Jones. Essa mensagem deveria trazer mais proeminentemente diante do mundo o Salvador elevado, o sacrifício pelos pecados de todo o mundo. Apresentava a justificação pela fé no fiador; convidou o povo a receber a justiça de Cristo, que se manifesta em obediência a todos os mandamentos de Deus “. Testemunhos para Ministros, pp. 91, 92.

“A mensagem dada por A. T. Jones e E. J. Waggoner é a mensagem de Deus para a igreja de Laodicéia, e ai de quem professa crer na verdade, e ainda não reflete sobre os outros os raios enviados por Deus”. –Manuscript Releases, vol. 15, p. 92

 

O que causou a mensagem a chegar 

Quando se aproximava a data da sessão da Conferência Geral a ser realizada em Mineápolis (1888), Deus enviou à liderança adventista e ao povo testemunhos específicos, mostrando a condição espiritual que havia se desenvolvido na igreja e que tornava a chegada da mensagem uma necessidade urgente. A irmã White escreveu: 

“Qual é a nossa condição neste momento terrível e solene? Ah! Que grande orgulho prevalece na igreja, que hipocrisia, que engano, que amor por vestuário, à frivolidade e à diversão, que desejo pela supremacia! Todos esses pecados nublaram a mente, para que as coisas eternas não possam ser discernidas. ” – The Review and Herald, 22 de março de 1887.

“A morte espiritual veio sobre o povo que deveria manifestar vida e zelo, pureza e consagração, pela mais sincera devoção à causa da verdade. Os factos relativos à real condição do professo povo de Deus falam mais alto do que a sua profissão e tornam evidente que algum poder cortou o cabo que os ancorava na Rocha Eterna e que eles estão se afastando para o mar, sem carta ou bússola “. – Ibid., 24 de julho de 1888. 

 

O propósito da mensagem  

A mensagem da justiça de Cristo (que inclui Isaías 58:1 e Apocalipse 3:18, 19) foi confiada ao anjo de Apocalipse 18 com o objectivo de realizar uma obra de reavivamento e reforma sob o ministério do Espírito Santo. Que o objectivo dessa mensagem foi para remediar o estado opostasia da igreja e preparar um povo para a vinda do Senhor, pode ser visto em vários testemunhos: 

“Agora, tem sido o propósito determinado de Satanás ofuscar a visão de Jesus, e levar os homens a olharem para o homem, a confiarem no homem, e serem educados a esperar o auxílio do homem. Durante anos, a igreja tem olhado para o homem e espera muito do homem, mas sem olhar para Jesus, em quem estão centradas as nossas esperanças de vida eterna. Portanto, Deus deu a Seus servos um testemunho que apresentava a verdade como esta é em Jesus, que é a terceira mensagem angélica, em linhas claras e distintas. ” Testemunhos para Ministros, p. 93

“A mensagem do terceiro anjo deve percorrer a terra e despertar o povo, e chamar sua atenção para os mandamentos de Deus e a fé de Jesus. Outro anjo une sua voz ao terceiro anjo, e a terra é iluminada com sua glória.” (…) O que você está fazendo para se preparar para este trabalho? (…) Você deve se lembrar que este anjo representa as pessoas que têm essa mensagem para dar ao mundo. Você está entre essas pessoas? ” – The Review and Herald, 18 de agosto de 1885.

“Deus levantou homens para suprir a necessidade deste tempo, que clamarão em alta voz e não se deterão, que levantarão a sua voz como uma trombeta e anunciarão ao ‘Meu povo suas transgressões, e à casa de Jacó seus pecados.’ Isaías 58:1. A sua obra não é apenas para proclamar a Lei, mas para pregar a verdade para este tempo – o Senhor, justiça nossa. ” – Ibid., 13 de agosto de 1889 

“Vários me escreveram, perguntando se a mensagem da justificação pela fé é a mensagem do terceiro anjo, e eu respondi: ‘É a mensagem do terceiro anjo em verdade.’ O profeta declara: ‘E depois dessas coisas, vi outro anjo descer do céu, tendo grande poder; e a terra foi iluminada com a sua glória. ”Brilho, glória e poder devem ser conectados à mensagem do terceiro anjo, e, onde quer que ela seja pregada em demonstração do Espírito, haverá convicção. Algum de nossos irmãos saberá quando esta luz chegará ao povo de Deus? Certamente que até agora ainda não vimos a luz que responde a essa descrição. Deus tem luz para Seu povo, e todos que a aceitarem verão a pecaminosidade de permanecer em uma condição morna; eles aceitarão o conselho da Testemunha Verdadeira. ” – Ibid., 1 de abril de 1890. 

“A pergunta da mais vital importância para este tempo é: ‘Quem está do lado do Senhor? Quem se unirá ao anjo [de Apocalipse 18: 1] para proclamar a mensagem da verdade ao mundo? Quem receberá a luz que deve encher toda a Terra com sua glória? “Aqueles que apreciam a luz que possuem receberão mais. A luz crescente brilhará sobre as almas que se renderem à suavização e subjugação da graça de Cristo; e aqueles que amam a luz serão salvos das ilusões de Satanás “. – Ibid., 5 de novembro de 1889.

“Se recebermos a luz do anjo glorioso que iluminará a terra com a sua glória, cuidemos para que nossos corações sejam purificados, esvaziados de si mesmos e voltados para o céu, para que estejam prontos para a chuva serôdia. Sejamos capazes de nos unir à proclamação do anjo que iluminará a terra com a sua glória. ” – The Signs of the Times, 1º de agosto de 1892.

“A Babilônia mística não tem poupado o sangue dos santos e não estaremos bem despertos para captar os raios de luz que têm estado a brilhar do fulgor do anjo que deverá iluminar a terra com sua glória?” – Mensagens Escolhidas, vol. 3, p. 426 (1890).

 

Como a mensagem foi recebida 

Não se pode dizer que a delegação da Conferência Geral e a maioria dos membros adventistas aceitaram em 1888 a mensagem de Justiça pela Fé. Entre os líderes e o povo havia sérias diferenças de opinião. Arthur G. Daniells, em seu livro Cristo Justiça Nossa, pág. 43, afirma que jamais foi publicado um relatório completo sobre a apresentação e discussão da mensagem. Contudo, dos escritos de Ellen G. White publicados depois da conferência, sabemos que a mensagem teve uma recepção muito limitada. Portanto, o trabalho de reavivamento e reforma, que era chamado para arrancar as ervas daninhas da apostasia e restaurar a igreja para o favor de Deus, não ocorreu. E, como consequência, uma grande parte dos líderes e membros foi deixada a andar por entre as centelhas que eles mesmos produziram. A irmã White, que apoiou a mensagem e os mensageiros, refere-se a essa experiência lamentável e suas consequências da seguinte forma:

“Era plano de Deus que os atalaias se levantassem e, com vozes unidas, apresentassem mensagem definida, dando à trombeta o sonido certo, para que o povo todo ocupasse seu posto do dever e desempenhasse a parte que lhe competia nesta grande obra. Então a forte e clara luz daquele outro anjo que desce do Céu com grande poder teria enchido a Terra com a sua glória.” –Manuscript Releases, vol. 14, p. 111

“Quando me propus a deixar Mineápolis, o anjo do Senhor ficou ao meu lado e disse: ‘Não; Deus tem uma obra para fazeres neste lugar. As pessoas estão a repetir a rebelião de Corá, Datã e Abirão. Tenho te colocado em tua devida posição, a qual os que não estão na luz não reconhecerão. Eles não darão ouvidos ao teu testemunho, mas Eu estarei contigo. Minha graça e poder te susterão. Não é a ti que estão desprezando, mas aos mensageiros e à mensagem que enviei a Meu povo. Mostram desdém pela palavra do Senhor. Satanás cegou seus olhos e perverteu-lhes o juízo e, a menos que toda alma se arrependa de seu pecado – esta independência não santificada que insulta o Espírito de Deus – andarão em trevas. Removerei o seu castiçal de seu lugar, a não ser que se arrependam e convertam, para que Ele os sare.'”- Ibid., vol. 3, p. 191

“Queira Deus que haja um despertamento religioso! Os anjos de Deus estão indo de igreja em igreja, cumprindo seu dever; e Cristo está batendo à porta dos seus corações para entrar. Mas os meios que Deus planejou para despertar a igreja para um sentido de sua destituição espiritual não foram considerados. A voz da Verdadeira Testemunha foi ouvida em reprovação, mas não foi obedecida. Os homens escolheram seguir seu próprio caminho em vez do caminho de Deus, porque o eu não foi crucificado neles. Desse modo a luz produziu bem pouco efeito na mente e coração. “- Testimonies, vol. 5, pp. 719, 720 (1889). 

“Por quase dois anos, pedimos ao povo que suba e aceite a luz e a verdade sobre a justiça de Cristo, e eles não sabem se devem ou não se apegar a essa preciosa verdade. Estão limitados por suas próprias idéias. Eles não deixam o Salvador entrar “. Review and Herald, 11 de março de 1890.

“Desde o tempo da reunião em Mineápolis, eu vi o estado da igreja de Laodicéia como nunca antes. Ouvi a repreensão de Deus proferida àqueles que se sentem tão satisfeitos, que não conhecem sua destituição espiritual… Sinto-me triste quando penso que, por longos anos, houve uma redução gradual da norma. Foi-me mostrado que muito poucos percebem a presença constante do Observador Divino que declara: ‘Conheço as tuas obras’. Através da indulgência do pecado, muitos perderam o favor de Deus, deturparam Jesus, esqueceram-se da Sua presença, olvidara-se que eles estão vivendo aos Seus olhos e, portanto, acrescentaram um mal ao outro. Todas essas são virgens loucas. … A razão pelas quais as igrejas são fracas, doentes e moribundas é que o inimigo exerceu influência de natureza desanimadora para as almas trêmulas. Ele tem procurado levá-las a perder de vista a Jesus, o Consolador, como Aquele que reprova, que adverte e admoesta, dizendo: Este é o caminho; andai por ele ‘.” Ibid., 26 de agosto de 1890. 

“A influência que surgiu da resistência à luz e à verdade em Mineápolis tendeu a invalidar a luz que Deus deu ao Seu povo através dos Testemunhos.” –Manuscript Releases, vol. 15, p. 305 

“Em vez de levar o mundo a obedecer à lei de Deus, a igreja está se unindo cada vez mais ao mundo em transgressão. Diariamente, a igreja está se convertendo ao mundo.” – Testimonies, vol. 8, p. 119 (1903). 

Se a igreja, que estava “constantemente se retirando para o Egito” (Serviço Cristão, pág. 39), tivesse realmente aceitado a mensagem “Cristo Justiça Nossa”, ela teria revertido seu itinerário e estaria agora movendo-se na direção oposta – com Cristo para o Canaã celestial. E não teria sido acusada, em 1903, de se tornar uma prostituta (Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 254), nem se tornaria um “covil de toda a ave imunda e aborrecível” (Testemunhos para Ministros, p. 265) como resultado da sua progressiva união com o mundo. Em 1903, o Espírito de Profecia fez esta declaração surpreendente sobre a condição que havia se desenvolvido na igreja: 

“Por que há tão pálida percepção da verdadeira condição espiritual da igreja? … Quem pode dizer com sinceridade: ‘Nosso ouro é provado no fogo; nossas vestimentas são imaculadas pelo mundo’? Vi nosso instrutor apontando para as vestes da chamada justiça. Despojando-as, Ele desnudou a impureza por baixo. Então ele me disse: ‘Você não pode ver como eles encobriram pretensiosamente sua impureza e podridão de caráter? “Como a cidade fiel se torna uma prostituta! (Isaías 1:21). “A casa de Meu Pai é feita casa de venda, um lugar de onde a presença e a glória divinas se foram! Por essa causa há fraqueza e falta de força.” “Testemunhos Selectos, vol. 3, pág 252 e 254.

 

JONES E WAGGONER DEIXAM A IGREJA

Logo após 1903, A. T. Jones foi enredado pelas falsas crenças do Dr. J. H. Kellogg e separou-se finalmente da igreja. Em 1909, foi feito um esforço especial para restaurá-lo. Várias reuniões foram realizadas com ele. Ele parecia emocionado e preparado para uma reconciliação. Quando o Élder Daniells, presidente da Conferência Geral, estendeu-lhe a mão, pedindo: “Venha, irmão Jones, venha”, levantou-se, estendeu a mão lentamente também, mas de repente a puxou para trás e disse: “Não, nunca, “e sentou-se novamente.

  1. J. Waggoner também teve uma experiência negativa quando problemas domésticos o levaram ao divórcio e depois se casou novamente. No entanto, ele continuou a defender as crenças fundamentais adventistas até o dia de sua morte.  

Não foi a primeira nem a última vez que os escolhidos especialmente pelo Senhor apostataram depois de terem dado fielmente a mensagem. O Espírito de Profecia, no entanto, nos adverte para não usarmos essa deplorável apostasia como argumento contra a luz do Céu que veio através deles para o povo de Deus. Os mensageiros podem desviar-se, mas isso não transformará a verdade que eles pregaram em mentira. Temos a advertência: 

“É bem possível que o pastor Jones ou o pastor Waggoner sejam derrotados pelas tentações do inimigo; se isso, porém acontecer, não será prova de que a sua mensagem não era de Deus, nem de que a obra que fizeram foi um erro. Se isso acontecer, quantos tomarão essa posição e entrarão em engano fatal por não estarem sob o controle do Espírito de Deus. … Sei que é exactamente essa a atitude que muitos adoptarão se esses homens caírem, e oro para que esses homens, sobre quem Deus colocou a responsabilidade de uma obra solene, deêm à trombeta o sonido e honrem a Deus a cada passo; que o caminho deles seja cada vez mais brilhante ate ao gim do tempo. “- Manuscript Releases, vol. 3, pp. 201, 202.

A mensagem trazida por esses dois irmãos estabeleceu um marco importante na história da Igreja Adventista do Sétimo Dia. “Marcou o início de uma grande reforma.” – Departamento de Educação, Conferência Geral das SDAs, A História de Nossa Igreja, p. 246

UMA ESCOLHA FATAL E AS SUAS CONSEQUÊNCIAS 

Deus colocou duas possibilidades diante da Igreja Adventista – aceitar a mensagem da “Justiça de Cristo”, ser transformado, e finalmente se tornar a igreja triunfante, ou rejeitar a mensagem e, consequentemente, tornar-se como uma das igrejas populares. 

  1. Se a igreja aceitasse a mensagem de 1888 que exigia um reavivamento e reforma: 

“Se a igreja se revestir do manto da justiça de Cristo, deixando toda aliança com o mundo, haverá diante dela o amanhecer de um dia brilhante e glorioso. A promessa de Deus a ela permanecerá firme para sempre.” – Atos dos Apóstolos p. 601 

  1. Se a igreja agisse contrariamente à luz celestial, permitindo que a apostasia crescesse e assumisse o controle:  

“Se a maior vigilância sincera não for manifestada no grande coração do trabalho para proteger os interesses da causa, a igreja se tornará tão corrupta quanto as igrejas de outras denominações”. –Testimonies, vol. 4, p. 513

As repetidas denúncias que vieram através do ministério da irmã White, acompanhadas de evidências factuais que marcam a tendência da queda da igreja após 1888 (especialmente as grandes mudanças testemunhadas desde a Primeira Guerra Mundial), mostram qual das duas rotas alternativas foi adotada pela denominação. E as consequências finais dessa escolha fatal foram claramente apontadas no quadro profético referente ao fim da graça. Todos aqueles que não dão ouvidos ao conselho da Testemunha Verdadeira e se recusam a usar os vestidos brancos da justiça de Cristo (Apocalipse 3:18) devem ser deixados sem o selo de Deus e sem a protecção contra as sete últimas pragas. Infelizmente, uma vez que apenas uns poucos aceitaram o remédio oferecido em 1888, a grande maioria sofrerá desapontamento denominacional. Isso pode ser lido em Ezequiel 9, que é explicado pela irmã White da seguinte maneira:   

“Os que receberem o puro sinal da verdade, neles gravado pelo poder do Espírito Santo, representado pelo sinal feito pelo homem vestido de linho, são os que ‘suspiram e gemem por todas as abominações que se cometem’ na igreja. Seu amor pela pureza e pela honra e glória de Deus é tal, que são representados como em agonia, suspirando e gemendo. Leia o nono capítulo de Ezequiel.” – Testemunhos Selectos, vol. 1, pág. 336.

Por outro lado, “mas o massacre geral de todos aqueles que não vêem assim o amplo contraste entre pecado e justiça, e não se sentem como aqueles que permanecem no conselho de Deus e recebem a marca, é descrito na ordem para os cinco homens com armas de abate. “- Ibid., vol. 3, p. 267

“Aqui vemos que a igreja – o santuário do Senhor – foi a primeira a sentir o golpe da ira de Deus. Os homens antigos, aqueles a quem Deus havia dado grande luz e que haviam sido guardiões dos interesses espirituais do povo, traiu sua confiança. “- Testemunhos Selectos, vol. 2, pág 65 e 66

 

HOUVE ALGUNS REAVIVAMENTOS

Após a sessão da Conferência Geral de Mineápolis em 1888, a irmã White viajou com A. T. Jones e E. J. Waggoner de um lugar para outro, participando da apresentação da mensagem, à qual compareceu o poder de Deus. Ela relatou:

“Em todas as reuniões desde a Conferência Geral, as almas aceitaram ansiosamente a preciosa mensagem da justiça de Cristo. Agradecemos a Deus que há almas que percebem que precisam de algo que não possuem – ouro da fé e amor, as vestes brancas da justiça de Cristo, colírio para os olhos do discernimento espiritual “. – The Review and Herald, 23 de julho de 1889.

“Vimos almas tornarem do pecado para a justiça. Vimos a fé revivida no coração dos contritos”. Ibid., 27 de maio de 1890.

Especialmente informativa é a descrição da reunião de reavivamento realizada em South Lancaster, Massachusetts, logo após a conferência de Mineápolis. Essa reunião memorável é um exemplo que mostra como o Senhor operou a mensagem para a conversão de almas. A irmã White relatou:

“Eu nunca vi um trabalho de reavivamento avançar com tanta precisão, e ainda assim permaneci tão livre de toda excitação indevida. Não houve necessidade ou convite. As pessoas não foram convocadas, mas houve uma realização solene que Cristo não veio a chamar” os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. Os honestos de coração estavam prontos para confessar seus pecados e dar frutos a Deus pelo arrependimento e restauração, na medida em que estivessem em seu poder… Havia muitos que testemunhavam que como as verdades buscadoras foram apresentadas, eles foram condenados à luz da lei como transgressores. Eles estavam confiando em sua própria justiça. Agora eles a viam como trapos de imundícia em comparação com a justiça de Cristo, que é a única aceitável. Embora não tivessem sido transgressores abertos, viram-se depravados e degradados de coração. Substituíram outros deuses no lugar de seu Pai celestial. Eles lutaram para se abster do pecado, mas confiaram em seus próprios esforços. Devemos ir a Jesus exatamente como somos, confessar nossos pecados e lançar nossas almas desamparadas ao nosso compassivo Redentor. Isso subjuga o orgulho do coração e é uma crucificação do eu. “- Ibid., 5 de março de 1889. 

Esses avivamentos locais ou individuais, no entanto, não beneficiaram a liderança adventista e o povo em geral. A igreja como igreja continuou deslizando cada vez mais fundo na apostasia. Isso é claramente revelado nos escritos de E. G. White, que testemunhou na virada do século:

“Por todos os lados, vemos aqueles que tiveram muita luz e conhecimento escolhendo deliberadamente o mal no lugar do bem. Não fazendo nenhuma tentativa de reforma, eles estão ficando cada vez piores.” – Testemunhos Selectos, vol. 3, pág. 102